Case Kodak: a necessidade de se reinventar

*Por Milton Jaworski

Em tempos de Uber, toda empresa precisa se reinventar, independentemente do seu porte. Nunca se sabe quando o próximo concorrente pode surgir, com preços mais atrativos ou produtos mais interessantes. Os taxistas, aparentemente seguros em um mercado regulamentado, foram pegos de surpresa, assim como os hotéis com a chegada do Airbnb.

Entre tantos exemplos de gigantes que sofreram com as velozes mudanças da tecnologia, do mercado ou do perfil de consumidores, um dos casos mais emblemáticos é o da Kodak, que começou a ter dificuldades em um momento de prosperidade. A Kodak, uma gigante do mundo da fotografia, foi a primeira empresa a desenvolver a tecnologia digital para câmeras fotográficas, ainda na década de 1970. Ela chegou a responder por 90% das vendas de filmes fotográficos e 85% das vendas de câmeras nos Estados Unidos, mas acabou perdendo o timing da era digital. Foi perdendo mercado, vendo concorrentes como a Sony crescer, e declarou falência em 2012.

É difícil apontar um único erro para que uma empresa gigante e relevante no mercado chegue à falência, mas a confiança cega de que as máquinas fotográficas com filme se manteriam no topo fez com que a companhia não apostasse na revolução digital. Um grande equívoco na análise sobre o mercado e sobre os consumidores. Esse erro fez com que a Kodak pagasse um preço muito alto.

O paradoxo da inovação

Após passar por um processo de recuperação judicial, no ano de 2013, a Kodak começou a apostar intensamente em inovação. Cerca de 300 cientistas trabalham na companhia, aproveitando a expertise na indústria ótica e química e tentando encontrar um novo mercado no qual a empresa possa se destacar. Os direitos de mais de 1,1 mil patentes relacionadas às imagens digitais foram vendidos a empresas como Facebook, Apple e Samsung por US$ 527 milhões.

Esse aporte dá fôlego para que a Kodak busque se reinventar. Dona de mais de 7 mil patentes, a companhia revirou seu histórico de arquivos e descobertas para tentar descobrir tecnologias e novidades que, neste momento, possam ser úteis, especialmente na área química. Por exemplo, eles estudam as malhas de fios de prata impressas a laser, que podem ser usadas para desenvolver uma nova tecnologia para telas de smartphone, mais barata e com maior capacidade do que as usadas atualmente.

Há, também, uma nova divisão dentro da empresa, a Kodak Technology Solutions, que visa encubar novos negócios e identificar novas oportunidades. Ou seja, no paradoxo da Kodak, as falhas em apostar na inovação, que culminaram na ruína da empresa, são também a aposta de que o futuro pode ser muito mais próspero do que se esperava.

Entretanto, não é qualquer empresa que tem uma segunda chance de se reinventar em um mercado tão competitivo como o que vivemos hoje. O case da Kodak é um exemplo de como as tomadas de decisões erradas podem interferir no futuro de uma empresa. É preciso estar alerta às mudanças, e uma consultoria de empresas pode contribuir decisivamente para o seu negócio, auxiliando-o a seguir o caminho correto ao crescimento.

*Milton Jaworski é formado em Administração de Empresas pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e há mais de 30 anos fundou a Jaworski Consultoria Empresarial (www.jaworskiconsultoria.com.br)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.