Leilão de aeroportos liderado por Congonhas gera R$2,72 bilhões em contribuição inicial

 

Vencedores do leilão levam os três blocos da 7ª rodada com ágio médio de 116,94% em relação ao lance mínimo

 Os 15 aeroportos leiloados pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) nesta quinta-feira, na B3, em São Paulo, renderam um total de R$ 2,716 bilhões para o Governo Federal. O valor total inicial a ser pago pelos vencedores da 7ª rodada de concessão representa um ágio médio de 116,94% em relação ao lance mínimo inicial total de R$ 938,4 milhões.

 

Os 15 aeroportos serão concedidos à iniciativa privada por um período de 30 anos.

 

Os três blocos de aeroportos processam, juntos, aproximadamente 15,8% do total do tráfego de passageiros do país, o equivalente a mais de 30 milhões de passageiros por ano (dados de 2019, período pré-pandemia). Entre 2011 e 2021, o programa de concessão aeroportuária no Brasil concedeu o equivalente a 75,82% do tráfego nacional à iniciativa privada. Somado à 7ª rodada, esse percentual atingirá 91,6% de passageiros atendidos em aeroportos concedidos.

 

O Bloco SP-MS-PA-MG, liderado por Congonhas (SP), e composto ainda pelos aeroportos Campo Grande, Corumbá e Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul (MS); Santarém, Marabá, Parauapebas e Altamira, no Pará (PA); Uberlândia, Uberaba e Montes Claros, em Minas Gerais (MG), foi arrematado pela Aena Desarollo Internacional SME SA por R$ 2,45 bilhões, com ágio de 231,02% em relação ao lance mínimo inicial de R$ 740,1 milhões.

 

Integrado pelos aeroportos de Campo de Marte, em São Paulo (SP) e Jacarepaguá, no Rio de Janeiro (RJ), o Bloco Aviação Geral teve como vencedor a XP Infra IV FIP EM INFRAESTRUTURA, com ágio de 0,01% em relação ao lance mínimo inicial de R$ 141,3 milhões. O bloco foi arrematado por R$ 141,4 milhões.

 

Já o Bloco Norte II, formado pelos aeroportos de Belém (PA) e Macapá (AP), foi arrematado pelas empresas Dix e Socicam, integrantes do Consórcio Novo Norte. O grupo pagou R$ 125 milhões pelos dois aeroportos do bloco, com ágio de 119,78% em relação ao lance mínimo inicial de R$ 56,9 milhões.

 

Tabela-resumo da licitação da 7ª rodada de aeroportos

 

Bloco

Bloco

Bloco

SP-MS-PA-MG

Aviação Geral

Norte II

AENA Desarollo Internacional SME AS

XP Infra IV FIP

Consórcio Novo Norte Aeroportos

Nº de propostas

1

1

2

Lance mínimo

740.132.333,48

141.388.607,98

56.875.878,09

Lance vencedor

2.450.000.000,00

141.400.000,00

125.000.000,00

Valor do ágio

1.709.867.666,52

11.392,02

68.124.121,91

Ágio sobre lance mínimo

231,02%

0,01%

119,78%

Valor total a ser pago na assinatura dos contratos

2.716.400.000,00

Ágio médio do leilão

116,94%

 

 

 

O leilão da 7ª rodada de concessões de aeroportos foi realizado na B3, em São Paulo, e contou com a concorrência de 4 proponentes habilitados. O certame teve início às 14h e foi concluído por volta de 15h, após 30 minutos de disputa de lances em viva voz. Confira, a seguir, a lista com todos os proponentes que participaram do leilão da 7ª rodada de aeroportos.

 

 

Proponentes vencedores da 7ª rodada de concessão de aeroportos

Bloco de aeroportos

Proponente

Tipo

Integrantes
do consórcio

Assistente Técnico

Bloco
SP-MS-PA-MG

AENA Desarrollo Internacional SME SA

Proponente individual

 

 

Bloco
Aviação Geral

XP Infra IV FIP EM INFRAESTRUTURA

Proponente individual

 

Egis

Bloco Norte II

Consórcio

Novo Norte Aeroportos

Consórcio

Dix e Socicam

Socicam

Demais proponentes participantes

Bloco de aeroportos

Proponente

Tipo

Integrantes
do consórcio

Assistente Técnico

Bloco Norte II

Vinci Airports

Proponente individual

 

 

 

Regras da 7ª rodada

 

A 7ª rodada de concessão de aeroportos propõe regulação flexível, compatível e proporcional ao porte de cada aeroporto em relação a tarifas, investimentos e qualidade dos serviços, a exemplo do que já ocorreu na 5ª e na 6ª rodadas. A exigência quanto ao nível de serviço será proporcional ao porte do aeroporto, sempre visando o melhor atendimento ao usuário. 

 

Habilitação e homologação         

 

A etapa seguinte do leilão, no dia 25 de agosto, será o recebimento dos documentos de habilitação dos proponentes vencedores de cada bloco. A assinatura dos contratos de concessão deverá ocorrer após a homologação do resultado pela Diretoria da ANAC, em data ainda a ser definida. Confira os próximos eventos do cronograma da 7ª rodada:   

Passos da 7ª rodada de concessão

Data

Evento

25/08/2022:

Recebimento dos documentos de habilitação dos proponentes vencedores

23/09/2022:

Publicação da ata de julgamento relativa à análise dos documentos de habilitação da proponente classificada em 1º lugar

26/09/2022 a 30/09/2022:

Prazo para interposição dos recursos de que trata o item 5.29 do Edital

Em aberto:

Homologação do resultado e adjudicação do objeto pela Diretoria da ANAC

Em aberto:

Prazo final para comprovação de atendimento, pela proponente vencedora, das obrigações previstas na Seção I do Capítulo VI do Edital

Em aberto:

Convocação para celebração do contrato de concessão do respectivo bloco de aeroportos

 

 

Contribuição Variável

 

Além da contribuição inicial a ser paga na assinatura dos contratos, as novas concessionárias deverão pagar também outorga variável sobre a receita bruta, estabelecida em percentuais crescentes calculados do 5º ao 9º ano do contrato, tornando-se constantes a partir de então até o final da concessão (confira abaixo informações de cada bloco). Esse de mecanismo busca adequar os contratos às oscilações de demanda e receita ao longo da concessão. A outorga variável estimada para o Bloco SP-MS-PA-MG, liderado pelo Aeroporto de Congonhas, começará em R$ 33,6 milhões a partir do 5º ano da concessão e chegará a R$ R$ 234 milhões no último ano do contrato.

Os valores projetados para os contratos contemplam uma receita estimada para toda a concessão de R$ 15,2 bilhões (para os 15 aeroportos), sendo R$ 11,6 bilhões para o Bloco SP-MS-PA-MG; R$ 1,7 bilhão para o Bloco Aviação Geral; e R$ 1,9 bilhão para o Bloco Norte II.

 

 

BLOCO SP-MS-PA-MG

Contribuição Inicial Mínima (paga no leilão): R$ 740.132.333,48 + ágio

Contribuição Variável (parcelas anuais conforme percentuais da receita)

5º ano

3,23%

6º ano

6,46%

7º ano

9,69%

8º ano

12,92%

9º ano

16,15%

Valor do contrato (receita estimada ao longo da concessão): R$ 11.608.831.026,23

Investimento previsto em EVTEA: R$ 5.808.778.318,08

 

BLOCO AVIAÇÃO GERAL

Contribuição Inicial Mínima (paga no leilão): R$ 141.388.607,98 + ágio

Contribuição Variável (parcelas anuais conforme percentuais da receita)

5º ano

3,05%

6º ano

6,10%

7º ano

9,15%

8º ano

12,20%

9º ano

15,25%

Valor do contrato (receita estimada ao longo da concessão): R$ 1.710.204.752,13

Investimento previsto em EVTEA: R$ 552.013.358,66

 

BLOCO NORTE II

Contribuição Inicial Mínima (paga no leilão): R$ 56.875.878,09 + ágio

Contribuição Variável (parcelas anuais conforme percentuais da receita)

5º ano

1,42%

6º ano

2,84%

7º ano

4,25%

8º ano

5,67%

9º ano

7,09%

Valor do contrato (receita estimada ao longo da concessão): R$ 1.931.983.096,09

Investimento previsto em EVTEA: R$ 874.656.126,52

 

Investimentos e melhorias

 

Os novos concessionários dos 15 aeroportos leiloados na quinta-feira deverão fazer investimentos da ordem de R$ 7,2 bilhões durante os 30 anos da concessão. De acordo com os Estudos de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEAs), os investimentos estimados por bloco de aeroportos serão de R$ 5,8 bilhões para o Bloco SP-MS-PA-MG; R$ 552 milhões para o Bloco Aviação Geral; e R$ 875 milhões para o Bloco Norte II. Só no Aeroporto de Congonhas, a previsão é que sejam investidos um total de R$ 3,35 bilhões nos 30 anos da concessão, sendo 75,4% desse montante (R$ 2,53 bilhões) aplicados na ampliação da infraestrutura nos primeiros cinco anos da vigência do contrato.

Nos 36 meses contados a partir da data de eficácia do contrato (Fase I-B) para os aeroportos do Bloco Aviação Geral e Bloco Norte II e nos 60 meses para os aeroportos do Bloco SP-MS-PA-MG, os 15 aeroportos concedidos da 7ª rodada deverão realizar os investimentos necessários na infraestrutura atual para a prestação do serviço adequado aos usuários.

Além de investimentos específicos definidos conforme as características de cada aeroporto (confira mais detalhes na página especial com informações dos blocos de aeroportos da 7ª rodada, clicando no link para acessar), as novas concessões terão que adequar sua capacidade de processamento de passageiros, bagagens e estacionamento de veículos; observar especificações mínimas da infraestrutura aeroportuária e indicadores de qualidade de serviço.

Cristina Lira Turismo

Cristina Lira - graduada em Comunicação Social-Jornalismo pela Universidade de Brasília (UnB) é baiana e radicada em Natal (RN), com cidadania portuguesa. Trabalha há mais de 20 anos com o turismo e adora o que faz: escrever, viajar e prestar serviços de assessoria de imprensa no segmento. Em 2008, criou o blog www.turismocristinaliranatal.blogspot.com, um sucesso, que migrou para o site www.cristinalira.com (Turismo por Cristina Lira). "Desde 2011, organiza o Encontro dos Profissionais do turismo com Cristina Lira (RN), em Natal e que já aconteceu em 7 cidades do Brasil , em Portugal e na Itália. O evento reúne empresários, profissionais do turismo e jornalistas para um momento de aprendizado e network. O próximo pode ser em sua cidade!. Neste espaço divulga as news do turismo do Brasil e do mundo. Confira e mande sua sugestão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.