Expo 2020: Brasil busca apoio da França


Comitiva brasileira reuniu-se hoje com o presidente francês, François Hollande, para reforçar a candidatura de São Paulo como sede da exposição mundial
O vice-presidente da República, Michel Temer, o ministro do Turismo, Gastão Vieira, o governador de São Paulo, Geraldo Alkimin, e o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, reuniram-se hoje com o presidente da França, François Holland, para buscar o apoio francês para a candidatura de São Paulo à sede da Expo 2020.

A comitiva brasileira afirmou que os governos federal, estadual e municipal estão unidos pela defesa da capital paulista e ressaltou os investimentos já autorizados na cidade. “Mostramos que São Paulo reúne todas as condições para sediar a exposição, destacamos a importância da cidade no cenário mundial e deixamos claro que todas as esferas de governo estão empenhadas na candidatura paulista”, afirmou o ministro do Turismo, Gastão Vieira. Além de Brasil, Rússia, Turquia; Tailândia e Emirados Árabes estão na disputa para sediar o evento. A escolha será divulgada até o fim deste ano.

Conhecida por deixar ganhos econômicos e sociais para as cidades que o sediam, o evento é realizado a cada cinco anos. O objetivo é reunir destaques da cultura e dos negócios de diversos países. De acordo com a expectativa dos organizadores, cerca de 30 milhões de visitantes devem passar pela exposição durante os seis meses em que ela ocorrerá. Entre os legados da exposição mundial está a Torre Eiffel, construída na edição de Paris, em 1889, e a revitalização das margens do rio Tejo, em Lisboa, Portugal. A próxima exposição ocorrerá em Milão, em 2015. “Estamos otimista com o apoio francês, que é de extrema importância para a nossa candidatura”, destacou Gastão Vieira.

O Ministério do Turismo destinou mais de R$ 300 milhões para a capital paulista reformar o Centro de Exposição Anhembi, o autódromo de Interlagos e a construção da Cidade do Samba. Além dos investimentos, a comitiva brasileira reforça a importância de São Paulo no contexto mundial, com as maiores comunidades japonesa, libanesa e italiana fora desses países.