UFRN recebe patenteamento de nova formulação para produto cosmético

Um novo produto hidratante, criado a partir de uma formulação cosmética inovadora e que contém como parte de sua elaboração o extrato de folhas de uma planta amplamente presente na Caatinga, foi patenteado por um grupo de cientistas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). O registro de propriedade intelectual foi concedido na última terça-feira, 17, pelo Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI) sob o nome “Composições cosméticas contendo Kalanchoe brasiliensis e seu uso como produto hidratante”.

“As composições cosméticas hidratantes patenteadas foram desenvolvidas tendo como ativo o extrato vegetal da Kalanchoe brasiliensis, manipuladas a temperatura ambiente o que representa facilidades de obtenção das formulações e redução no tempo do processo, fatos que impactam na redução de custo no processo, tornando-as mais viáveis comercialmente. Destaque também deve ser dado ao processo extrativo, que é facilmente escalonável e atende as expectativas não só do mercado consumidor de produtos cosméticos mas também a preservação ambiental, pois pode ser considerado um processo eco-friendly, ou seja, responsável com o meio ambiente”, afirmou Márcio Ferrari.

As formulações contendo o extrato de Kalanchoe brasiliensis podem ser utilizadas com ação hidratante, retendo água na pele e minimizando a perda de água para o ambiente, o que contribui para o processo de hidratação cutânea. Ademais, colabora na manutenção da proteção da barreira cutânea, um mecanismo envolvido no processo de hidratação capaz de reter, por exemplo, substâncias nocivas que estamos diariamente expostos. À conjunção destes fatores leva a uma consequente melhoria do aspecto da pele.

Márcio Ferrari pontua ainda que o produto patenteado, para além de sua comprovação quanto à eficácia clínica hidratante, foi avaliado quanto a segurança para uso em produtos cosméticos e essas avaliações foram realizadas no Laboratório de Segurança e Eficácia de Produtos Cosméticos da UFRN. “Pode-se considerar que está no estágio de protótipo, no entanto, ainda em escala laboratorial, no entanto, estamos prospectando empresas de insumos e de produtos cosméticos para materializar essa invenção no mercado”.

O novo produto comprova cientificamente a viabilidade do uso de extrato vegetal da Kalanchoe brasiliensis, espécie conhecida como saião, coirama ou folha da fortuna e amplamente presente em regiões do Rio Grande do Norte. Mas não só aqui. “Ela não é endêmica do nosso bioma, ou seja, também está presente em outras regiões geográficas do país. Junto a essa característica, posso acrescentar o seu pequeno porte, fácil cultivo, crescimento rápido e fácil manejo. Com três meses já temos mudas com 30 a 50 centímetros e folhas suculentas, o que demonstra uma facilidade na obtenção da matéria-prima.

Inclusive, há atualmente um plantio desta espécie na Escola Agrícola de Jundiaí, unidade da UFRN na cidade de Macaíba”, explicou Silvana Maria Zucolotto Langssner, pesquisadora envolvida no estudo.

Antes da pesquisa que deu origem à concessão da patente do produto, o grupo de pesquisa de Silvana já havia trabalhado com a planta em outras aplicações. A experiência facilitou a sua contribuição, sobretudo nos parâmetros tecnológicos para obtenção do extrato. Também integrante do grupo de inventores, Julia Morais Fernandes complementou que a planta é cultivada por propagação vegetativa, ou seja, espontâneas, a partir de pequenos brotos.

O extrato foi obtido com material vegetal fresco, sem a necessidade de passar por processos de secagem das folhas. “Além disso, o processo extrativo utiliza apenas etanol e água como líquido extrator, o que valoriza o extrato pelo uso de solventes não tóxicos. E o método de extração por turboextração é um processo rápido e bastante eficiente, o que é muito interessante em termos econômicos”, acrescentou Rayllan de Oliveira Rodrigues, que atualmente é farmacêutico em uma rede de farmácias. Na época mestrando, Rayllan realizou a execução do projeto e obteve os resultados para subsidiar a patente, foi orientado pelo Márcio e coorientado por Silvana.

Além dos três, a patente tem como inventores Elissa Arantes Ostrosky,  que contribuiu no desenvolvimento da formulação, além de Gabriel Azevedo de Brito Damasceno e Stella Maria Andrade Gomes Barreto, os dois últimos, na época do depósito do pedido, eram pós-graduandos do Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas, com participação nas avaliações da segurança do extrato e nos testes clínicos que comprovaram a ação hidratante.

Patentes na UFRN

Chegando agora a 25 cartas-patente concedidas, a UFRN se consolida como instituição protagonista em números da propriedade intelectual no Norte-Nordeste. Para o diretor da Agência de Inovação (AGIR), Daniel de Lima Pontes, esta concessão da patente é um exemplo de criação de produtos e processos que ajudam no desenvolvimento econômico do país e regional. Segundo ele, a UFRN possui, além das patentes concedidas, mais de 250 pedidos de patente em sua vitrine tecnológica, “aptas para parcerias público-privadas, por exemplo, na qual os investidores podem ter vários benefícios ao associar-se à universidade, como o know-how e a expertise que nós detemos em vários âmbitos”.

A AGIR é a unidade da UFRN responsável pelas orientações e explicações a respeito dos aspectos para patentear uma determinada invenção. Embora não esteja ocorrendo atendimento presencial, o suporte aos inventores é feito através do e-mail patente@agir.ufrn.br. “Temos percebido nos últimos anos que os professores estão com maior cuidado em proteger suas invenções através do patenteamento. Aqui na Universidade, eles contam com um cenário amplamente favorável, haja vista o suporte que a UFRN propicia neste processo”, afirmou o diretor. Sobre o patenteamento, Márcio Ferrari considera que, por concretizar uma carta patente, o processo possa incentivar os docentes e outros pós-graduandos a pensarem na proteção intelectual de suas pesquisas.

“É bastante importante pensarmos nessa perspectiva, pois vislumbra outras possibilidades além do artigo científico, como conhecimento sobre os processos de inovação acerca do projeto desenvolvido, potencial transferência e extensão tecnológica, introduzindo os produtos desenvolvidos nos laboratórios da UFRN para empresas e, consequentemente, o mercado, destacando o estímulo ao empreendedorismo”. Márcio Ferrari enumera benefícios como a relevância da experiência do desenvolvimento de uma patente para a formação do pós-graduando, fato que envolve outros elementos diferentes, tal qual a escrita de artigos científicos, “além do aprendizado ao responder as exigências realizadas pelos analistas do INPI”, finaliza.

Proposta de legenda: Esta é a primeira patente do Departamento de Farmácia, bem como do Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas, com o projeto desenvolvido no Laboratório de Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos Cosméticos

Proposta de legenda: O uso de produtos cosméticos com o extrato da kalanchoe brasiliensis pela indústria cosmética pode trazer benefícios socioeconômicos para a população que cultiva a espécie

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.