Fecomércio RN, Sebrae e entidades do turismo entregam lista de pedidos ao Governo e prefeituras de cidades turísticas para tentar amenizar crise

A Fecomércio, o Sebrae RN e as entidades que compõem a Câmara Empresarial do Turismo (CET), órgão consultivo da Federação, protocolaram, nesta terça-feira, 2, junto ao Governo do Estado e às Prefeituras da Grande Natal, de Mossoró e dos principais municípios turísticos potiguares, um documento contendo uma série de pedidos para que possam ser minimizados os impactos negativos do endurecimento das medidas de prevenção à Covid-19 no setor de bares e restaurantes e no acesso às praias. No caso específico da Prefeitura de Natal, o presidente da Fecomércio RN, Marcelo Queiroz, e o coordenador da CET, George Costa, também entregaram o documento diretamente ao prefeito Álvaro Dias, aproveitando uma reunião ocorrida no final da manhã com representantes do comércio da capital (ver retranca abaixo).
“Nós entendemos que o foco de todo o RN neste momento é preservar a vida dos potiguares. E o setor produtivo não poderia destoar disso. É claro que há prejuízos, sobretudo ao nosso turismo, que é pilar econômico do estado e vive um momento bastante delicado, com praticamente 40% das empresas quebradas e um cenário bastante nebuloso pela frente. O que estamos pretendendo com estes pleitos é amenizar o sufoco e permitir que estas empresas e os empregos que elas geram possam sobreviver. Também iremos buscar, junto à nossa bancada federal, uma ação para que a União possa retomar, com urgência, medidas como a MP da preservação dos empregos, linhas de crédito como o Pronampe e uma com foco específico neste setor e, até mesmo, a retomada do pagamento do auxílio emergencial, que tende a irrigar o setor produtivo com recursos e reduzir a crise. O momento é extremamente difícil. E precisamos de serenidade e equilíbrio para atravessarmos ele juntos”, afirma o presidente da Fecomércio RN, Marcelo Queiroz.
Além dos pleitos, o documento enumera ações imediatas que o setor produtivo está pondo em prática, como a realização de consultorias, cursos de capacitação e qualificação profissionais de colaboradores e empreendedores dos segmentos envolvidos; oferecimento de cursos por meio do Sebrae RN e Senac RN; e a estruturação de uma ação denominada “Lazer com Responsabilidade”, composta de equipes que circularão nos principais polos de bares, restaurantes, casas de recepção e buffets das maiores cidades do estado, orientando e conscientizando empreendedores, colaboradores e clientes quanto ao cumprimento dos protocolos de biossegurança e do distanciamento social.
O pacote de sugestões foi elaborado pelas equipes técnicas da Fecomércio , do Sebrae RN e das entidades empresariais que compõem a CET e é uma tentativa de evitar um prejuízo maior ainda às empresas que compõem a cadeia produtiva do turismo, segmento que responde por cerca de 30% do PIB potiguar, e que gera em torno de 110 mil empregos diretos e formais.

Veja a lista de todos os pleitos apresentados e das entidades que a assinam:

PEDIDOS AO GOVERNO DO ESTADO

Pleitos Fiscais e Tributários

  1. Prorrogação da vigência de certidões negativas de débitos por pelo menos 120 dias;
  2. Adiamento e parcelamento dos tributos (impostos, taxas e contribuições etc.) estaduais devidos pelas empresas do segmento, incluindo aquelas que estejam inscritas no regime tributário do Simples Nacional e em regimes de tributação diferenciados enquanto durar o período de restrições ao funcionamento, retornando os recolhimentos de forma parcelada, sem juros, multas ou correção monetária;
  3. Prorrogação do vencimento de tributos estaduais que se encontram parcelados de forma ordinária, bem como a criação de parcelamentos através de Programas de Regularização Tributária estadual pelo prazo de 120 (cento e vinte) dias, incluindo empresas que estejam inscritas no regime tributário do Simples Nacional e em regimes de tributação diferenciados;
  4. Postergação dos prazos para entrega de declarações relativas aos tributos estaduais e a suspensão dos prazos para a prática de atos processuais no âmbito das Secretarias e Procuradorias de Estado da Fazenda;
  5. Manter o programa de parcelamento (REFIS) estadual, com condições e juros diferenciados para os débitos relativos aos anos de 2020 e 2021;
  6. Implantar a redução do ICMS incidente sobre a energia elétrica de bares, restaurantes, agências de viagem, empresas de receptivo e afins), casas de recepção e/ou buffets, até 31.12.2021, conforme já concedido ao setor de hotéis e pousadas.

Concessão de crédito pela Agência de Fomento do RN S.A.

  1. Urge a implementação de esforços efetivos pela Agência de Fomento do RN (AGN) para uma forte divulgação e facilitação do acesso aos recursos do Fundo Geral do Turismo (Fungetur), bem como a disponibilização de recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE), inclusive, com a utilização do Fundo de aval às Micro e Pequenas Empresas (Fampe) do Sebrae;
  2. Instituir mais opções de crédito, com taxas de juros máxima de 4,5% ao ano, carência mínima de seis meses para início do pagamento e prazo mínimo de 24 meses para quitação, objetivando o custeio dos salários, encargos e benefícios dos colaboradores, além do pagamento de fornecedores. O Pronampe instituído pelo Governo Federal é um bom referencial de crédito;
  3. É necessária uma mobilização da Agência de Fomento do RN (AGN) para a simplificação dos procedimentos e criação dos mecanismos de acesso digital, permitindo, portanto, que os atendimentos sejam on-line para alcançar empreendedores em todo o Rio Grande do Norte de forma ágil. A hora é de transformação digital para dar celeridade nesses tempos de crise.

Tarifas públicas

  1. Isenção da taxa de esgoto, durante o período de fechamento ou limitação de horário, dos estabelecimentos com restrições de funcionamento (Caern);
  2. Desconto do valor do IPVA para veículos devidamente registrados em nome de empresas dos setores abrangidos pelas restrições impostas ao seu funcionamento (SET RN);
  3. Suspensão do corte de fornecimento de Gás Natural (Potigás) para as empresas dos setores abrangidos pelas restrições impostas ao seu funcionamento até o fim do período de calamidade;
  4. Instituir um parcelamento especial, com prazos diferenciados, para contas de gás em aberto (Potigás);
  5. Criação de “tarifa da retomada econômica” para as empresas dos setores abrangidos pelas restrições impostas ao seu funcionamento, com preços mais atrativos no Gás Natural, similares aos praticados na indústria (Potigás);
  6. Fomentar a conversão de equipamentos de GLP para GN, através da oferta de linha de crédito por meio da AGN.

PEDIDOS ÀS PREFEITURAS
Pleitos Fiscais e Tributários

  1. Prorrogação da vigência de certidões negativas de débitos por pelo menos 90 dias;
  2. Adiamento e parcelamento dos tributos (impostos, taxas e contribuições) municipais devidos pelas empresas do segmento, incluindo aquelas que estejam inscritas no regime tributário do Simples Nacional e em regimes de tributação diferenciados enquanto durar o período de restrições ao funcionamento, retornando os recolhimentos de forma parcelada, sem juros, multas ou correção monetária.
  3. Concessão de crédito equivalente a 50% do IPTU 2020 para abater em 2021 ou 2022 (no caso de quem já tenha pago o exercício 2021);
  4. Redução da alíquota de ISS para as empresas dos setores abrangidos pela restrição de funcionamento, de 5% para 2%, por um período de seis meses contados a partir de 1º de março de 2021;
  5. Prorrogação do vencimento de tributos municipais que se encontram parcelados de forma ordinária, bem como a criação de parcelamentos através de Programas de Regularização Tributária pelo prazo de 120 (cento e vinte) dias, incluindo empresas que estejam inscritas no regime tributário do Simples Nacional e em regimes de tributação diferenciados;
  6. Postergação dos prazos para entrega de declarações relativas aos tributos municipais e a suspensão dos prazos para a prática de atos processuais no âmbito das Secretarias e Procuradorias de Fazenda no município.

Assinam o documento

Marcelo Queiroz
Presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do RN (Fecomércio RN)
George Costa
Coordenador da Câmara Empresarial do Turismo da Fecomércio RN (CET Fecomércio)
Habib Chalita
Presidente do Sindicato dos Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares do RN (SHRBS RN), membro da CET Fecomércio
Paolo Passarielo
Presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes no RN (Abrasel), membro da CET Fecomércio
José Ferreira de Melo Neto
Superintendente do Sebrae RN
Abdon Gosson
Presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis no RN (ABIH RN), membro da CET Fecomércio RN
George Gosson
Presidente do Natal Convention Bureau, membro da CET Fecomércio
Rútilo Coelho
Presidente do Mossoró Convention Bureau, membro da CET Fecomércio
Francisco Câmara Júnior
Presidente do Sindicato das Empresas de Turismo do RN (Sindetur), membro da CET Fecomércio
Michele Pereira
Presidente da Associação Brasileira dos Agentes de Viagem do RN (Abav RN), membro da CET Fecomércio
José Maria Pinheiro
Vice-presidente da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo do RN (Abrajet), membro da CET Fecomércio
Wanderson Borges
Presidente da Associação dos Hoteleiros de Tibau do Sul e Pipa (Ashtep)
Adrianne Cantelli.
Presidente da Abrasel Pipa

RETRANCA

Representantes do Comércio se reúnem com prefeito Álvaro Dias e pedem ajustes nas novas regras em Natal

No final da manhã desta terça, 2, representantes de entidades ligadas ao comércio se reuniram com o prefeito de Natal, Álvaro Dias, e parte de sua equipe de secretários para pedir alguns ajustes no Decreto que mudou as regras de funcionamento dos setores de comércio e serviços bem como determinou o fechamento parcial da orla da capital, publicado no sábado passado, 27/02.
Em linhas gerais, os empresários pediram que fosse revisto o escalonamento de horários do comércio e também que fossem deixados mais claros pontos como o funcionamento – sem limitação de horário – dos serviços de delivery de bares e restaurantes e a relação de setores considerados essenciais e que, por esta condição, estariam de fora do escalonamento de horários.
O presidente da Fecomércio RN, Marcelo Queiroz, ficou de entregar nesta quarta-feira, 3, à STTU um detalhamento do número de colaboradores por segmento de comércio e serviços de modo a nortear melhor o trabalho daquela pasta no sentido de, com base no escalonamento e no fluxo otimizado de ônibus, buscar reduzir a demanda pelo transporte coletivo, evitando aglomerações nos mesmos.
Participaram da reunião, além do presidente Marcelo Queiroz, o presidente da CDL Natal, José Lucena Neto; o presidente da Federação das Associações Comerciais do RN, Itamar Maciel; o presidente da Associação Comercial do Estado, Schiavo Álvares; o presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado, Afrânio Miranda; e o presidente da Associação dos Empresários do Bairro do Alecrim, Matheus Feitosa; além de representantes da Associação Viva o Centro e da Associação dos Comerciantes da Zona Norte de Natal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.