A Sethas, por meio do Programa do Artesanato do RN apóia eventos de profissionais do Turismo em Portugal

A Sethas, por meio do Proarte (Programa do Artesanato do RN), está apoiando o  2º Encontro de Network do Porto,  dia 27 de fevereiro ás 18hs no Vila Galé Porto Ribeira, e 4º Encontro Internacional dos Profissionais de Turismo, em Lisboa, no próximo dia 9 de março no Vila Galé Ópera, promovido por esta jornalista Cristina Lira, em Portugal.

Eu estive  nesta quinta-feira (6) na Secretaria do Trabalho, da Habitação e da Assistência Social (Sethas) para firmar a parceria em forma de apoio na divulgação do Rio Grande do Norte através da exposição de peças do artesanato potiguar em Portugal nos dois eventos voltados para profissionais que trabalham no setor de turismo na Europa . 

.

A secretária da Sethas, Iris Oliveira, e pela  coordenadora do Programa do Artesanato do RN (Proarte), Graça Leal, disponibilizaram peças do artesanato para representar o artesanato potiguar em terras lusitanas. 

.

Entre as peças estão sousplat de sisal do município de Espírito Santo, galo de cerâmica de São Gonçalo do Amarante, bordado de Timbaúba dos Batista e pássaros em madeira. .

Sousplat de Sisal- Município : Espírito Santo

O Sisal (Agave Sisalana) é uma planta originária da América Central. Especificamente na região nordeste do Brasil, o estado do Rio Grande do Norte se encontra como o terceiro maior produtor de cultivo do sisal, segundo a Embrapa.

A artesã Maria Assis Cirino da Silva, conhecida como Cícera do Sisal, aprendeu a trabalhar com o sisal trançando cordas com sua prima mais velha, aos seis anos de idade. Aos oitos anos começou a fazer sacolas e bolsas de sisal com a técnica de macramê. Aos 18 anos, aprendeu a fazer o entrançado de 3 pernas para criar jogos americanos com renascença do sisal no município de Espírito Santo -RN, onde desenvolve suas técnicas, tornando-se referência do artesanato de sisal em uma gama de produtos.

Galo de Cerâmica- Município de São Gonçalo do Amarante

O símbolo do folclore do Rio Grande do Norte é originário de Santo Antônio do Potengi. Trata-se de uma bilha para esfriar água, peça zooforma em forma de galo, criada pelo ceramista Antônio Soares, primeiro artesão de ter seu nome divulgado fora do município . A escolha do símbolo ocorreu em fins da década de 1950, na gestão do então Prefeito de Natal, Djalma Maranhão, justificada pela alusão ao nosso folclore, tido como festivo e lúdico; o cantor do galo simbolizaria essa tradição. A imagem do galo chegou a ser popularizada nacionalmente ilustrando o cartaz da III Festa do Folclore Brasileiro em 1975 , promovida  pela Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro, instituição interessada em garantir proteção legal as manifestações folclóricas, entre as quais o  artesanato. Somente em 1996, a comissão Norte-rio-grandense de Folclore legitimou o galo branco oficialmente como símbolo do folclore no Estado. Maria das Neves Felipe, conhecida como D. Neném , herdeira na confecção do galo e aprendiz de Antônio Soares, se transformou na ceramista mais conhecida da comunidade e uma das maiores do estado. E em 2013, Prefeito Jaime Calado oficializou o Galo como símbolo da cultura local.

Bordado – Município de Timbáuba dos Batistas

O bordado produzido no Seridó tem origem portuguesa e foi herdada pelas primeiras colonizadoras através de sua memória afetiva. As peças bordadas na região apresentam características de sua origem fazendo referencia aos elementos da natureza ( flores e folhas ), surgindo, algumas vezes, elementos figurativos como pássaros e insetos. Noutras vezes, os bordados apresentam uma natureza estilizada por meio dos arabescos.

Fonte: Portal Grande Ponto

#encontrocomcristinalira

#vilagale

#portugal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.